Categoria Blog

Ser coach ou não ser, eis a confusão!

Eu sou coach há mais de sete anos e confesso que de uns dois anos para cá tenho percebido dois tipos de movimentos, que são os “anticoaches” e o “todo mundo é coach”.O primeiro é avesso ao segundo pelo fato do Coaching ter ganhado uma proporção enorme nos últimos anos, virou “a bola da vez” e infelizmente, muitas pessoas que o dizem ser, nem sempre passaram por uma formação adequada para ser um bom profissional e virou o “chatonildo” em seu meio, “o coachtista” (coach fanático), o vendedor sem ser vendedor, sai “atirando para todo lado” e acha que todo mundo precisa de Coaching, que um chavão muito comum usado no nosso meio.

      Meu objetivo aqui é trazer uma reflexão aos coaches, como profissionais e aos “avessos aos coaches”, sobre as confusões que estão acontecendo entre o que é realmente “ser um coach” e “não o ser”.

O Coaching é capaz de transformar a vida das pessoas (se elas quiserem, é claro!) e realmente faz a diferença dentro dos resultados de uma organização e por isso, todo mundo que passa por uma formação quer que o mesmo aconteça com todo mundo. Porém, o que trago aqui serve de alerta quando o assunto é carreira, nova profissão e aí entram vários fatores importantíssimos que esse novo profissional deve levar em conta, antes de sair se vendendo como profissional coach.

  1. O primeiro fator é ver o Coaching como “Missão de Vida” e “Vocação”: É comum sair de uma formação de Coaching e ficar empolgado, tocado, sensibilizado, pois os cursos promovem de forma profunda o autoconhecimento, que é o primeiro passo para ser um profissional. Porém, preste atenção nessa hora! Assim como em toda carreira, se a nossa missão de vida não tem nada a ver com a vocação e vice-versa, dificilmente teremos sucesso. A confusão que o recém-formado faz está em “descobri a minha missão de vida e agora quero levá-la para todo mundo”, como se todo mundo quisesse. Wow! Para tudo! Vamos lá! Depois da missão de vida vem a vocação para ser coach, a que tipo de nicho e pessoa que ele atenderá, afinal, é um negócio, tem que ser levado a sério se quiser se diferenciar no mercado. Quando em me formei lá no início de 2012, eu escolhi o nicho de carreira e liderança, não foi aleatório ou porque dava dinheiro, mas porque estava ligado a minha vocação e a minha missão de vida, ou seja, estava congruente, com a minha experiência, propósito e visão e por isso venho alcançando resultados positivos até hoje, assim como vários profissionais de excelência que conheço no meio Coaching. E sabe o que acontece quando acha que “ser coach” é apenas viver a missão de vida? Corre-se o risco de “ser chato” ou ser coach 100% voluntário pelo resto da vida.
  2. O segundo fator é “Quero viver de Coaching”: Se quer viver de Coaching, tem que se preparar, ter coragem de empreender. É comum eu escutar: “Nossa! Eu gosto tanto de ser coach, que não tenho coragem de cobrar para atender!”, Wow! Vamos lá! A menos que o coach tenha quem o sustente em casa ou tenha um trabalho paralelo, é impossível viver apenas pela missão de vida. Se quer viver de Coaching, deve desenvolver habilidades comportamentais como empreendedor, uma vez que é um negócio que começa como autônomo para muitas pessoas até se tornar uma empresa consolidada. E aqui existem alguns caminhos que levam um coach a ter sucesso ou não, assim como em qualquer profissão. Acredite! É possível viver de Coaching em um país como o Brasil que tem mais de 14 milhões de desempregados e várias empresas fechando as portas por causa da crise. Eis aí uma grande oportunidade de ajudar o nosso país e as pessoas crescerem, mas é preciso usar estratégias corretas que nenhuma escola de Coaching vai ensinar para seu aluno, assim como em nenhuma escola e faculdade ensinou enquanto estudávamos. É preciso unir os skills certos (técnico e comportamental). Só assim conseguirá unir missão, trabalho e carreira e entregar valor ao cliente para fazer o negócio de Coaching ser rentável.
  3.  O terceiro e último fator nesse artigo, pois existem mais, é “Ser seguro e passar segurança ao cliente”. E aqui costumo dizer, antes de procurar por uma formação de Coaching, não procure a mais “barata” ou “a que se divulga melhor nas mídias sociais”. Faça um estudo antes com base no seu objetivo de vida e carreira. E aqui vale para o coach e para quem vislumbra essa profissão. Se o seu objetivo é se formar para atuar como profissional, leve em consideração a seriedade das escolas, quais órgãos são certificados internacionalmente, quantos anos de mercado possui, se ela atende o seu propósito enquanto visão profissional, pesquise, pesquise, pesquise. Sabe por quê? Porque aqui no mercado, do lado de fora, a empresa que te contratará exigirá uma formação séria e que dê resultados. Algo muito importante para a segurança de um coach e para a segurança do coachee (cliente), além da formação em uma escola séria é estudar continuamente, investir em cursos sobre o comportamento humano, não focar apenas em um método, uma escola, fazer cursos internacionais, investir em uma mentoria para ajudá-lo em sua jornada, tudo isso faz parte da carreira de um coach. O investimento na carreira de Coaching é imprescindível para o sucesso profissional e dicas de passagem, é alto, que de cara, inicialmente, entre básico (Personal & Professional), intermediário (Business e/ou Executive) e avançado (Master Coach) serão gastos no mínimo R$ 40.000,00, isso sem contar os cursos adicionais. Para isso, um bom planejamento financeiro poderá ajudá-lo.

      E para não estender muito esse assunto, que oriento na minha Coachtoria Empreendedor Coach de forma mais aprofundada, deixo aqui duas considerações importantes aos “coaches” e “anticoaches”. Aos coaches que querem ser profissionais, essa foi a melhor escolha que eu fiz na minha carreira, não me arrependo de nada, eu tinha certeza que esse era o caminho que queria trilhar e o faço com muita seriedade, dedicação e invisto nisso constantemente – simplesmente está no meu DNA e no que realizo todos os dias. Aos “anticoaches”, o Coaching sempre existiu, é milenar, não é “modinha”, vale a pena conhecer mais, se aprofundar, procurar profissionais sérios quando precisar. Mas assim como eu disse acima em outras palavras, só é considerado coach, quem não invade o espaço do outro e fica “forçando a barra” como se todo mundo fosse obrigado a passar por um processo de Coaching – isso é invasivo, é chato. O coach de excelência entende quando é o momento de cada um e nem por isso deixa de ser coach.

Espero que esse artigo tenha sido útil para você. E se gostou, convido você a compartilhá-lo com alguém que gostaria de saber disso também!

Grande abraço!

Até a próxima! 

Inteligência Artificial em alta e Inteligência Emocional em baixa

O mundo todo falando sobre Inteligência Artificial, enquanto muitas pessoas estão se sucumbindo por falta de Inteligência Emocional. Será que estamos diante de uma uma evolução ou involução humana?

Pesquisas indicam que quanto maior é a Inteligência Intelectual, menor é a Inteligência Emocional…O fato é que há muito tempo estamos falando de Inteligência Artificial, que é cada vez mais presente no nosso dia-a-dia e também um caminho sem volta. Os robôs, os chat bots, tecnologia 5G, os carros autônomos e as novas formas de se (re) inventar, tudo acontecendo muito rápido.

Ao mesmo tempo, tem-se falado muito de problemas e doenças emocionais que afetam diretamente a Inteligência Emocional de uma pessoa. Basta ver as notícias na TV ou observar o comportamento de pessoas que conhecemos de longe, mas que podem estar bem perto de nós também. Depressão, síndrome de burnout (esgotamento profissional), entre outras doenças psicossomáticas, não escolhem o rosto, o bolso, o corpo e nem o quanto de sucesso e fama uma pessoa tenha. Entre tantos outros problemas que extrapolam o nosso entendimento humano, que estão destruindo vidas de forma violenta.

  • O fato é que se trouxermos para a área profissional, uma pessoa com baixa IE não consegue usar o seu talento e inteligência ao máximo e nem se relaciona de forma equilibrada com as pessoas.
  • Além disso, são vítimas das circunstâncias e não protagonistas da própria história.
  • Sua autoestima é baixa, assim como sua flexibilidade para mudanças.
  • E seus resultados estão sempre aquém do que gostaria de ter, pois simplesmente se coloca na posição de coadjuvante e não como líder de si mesmo.

💣Infelizmente muitas pessoas desconhecem seu ponto de equilíbrio e se tornam uma bomba relógio, prestes a explodirem. A baixa Inteligência Emocional cega o indivíduo e ele acha que está sempre certo e que a culpa é do outro…Mas nesse caso, a culpa é tão somente da falta de autoconhecimento e isso reflete na vida pessoal e profissional. A partir do momento em que nos vemos, é impossível deixarmos de nos ver, mas é preciso coragem e um respeito profundo consigo mesmo. A partir do autoconhecimento profundo é possível reconhecer emoções que causam todos os problemas acima mencionados e eliminar as causas de vez com a ajuda de profissionais especializados.

Como você lida com suas emoções diante de uma adversidade?

Você é reativo diante de uma situação problemática ou pensa com cautela?

De 0 a 10, o quanto você se posiciona diante de um novo desafio?

Como recebe as más notícias ou notícias que não te agradam?

Eu não sei o que você respondeu acima e como isso tem refletido nos resultados das diversas áreas de sua vida e principalmente nos âmbitos pessoal e profissional, mas se alguma dessas respostas estiver impactando a sua vida de forma negativa, talvez seja a hora de parar e ter um encontro consigo mesmo.

O AUTOCONHECIMENTO é o primeiro estágio para melhorar o POSICIONAMENTO de um indivíduo na sua vida pessoal e/ou profissional. Sem isso, o SER não se reconhece, o FAZER não se estabelece e o TER não se merece. É como se alguém estivesse tentando subir a escada e não passasse do primeiro degrau.

Posicione-se! 🔝 Invista no seu autoconhecimento, seja o protagonista da sua própria história! Desenvolva o poder da sua inteligência multifocal e do autoconhecimento.

________________________________________________________________________

.

O Poder da Inteligência Multifocal e do Autoconhecimento

“Assim como pensa em sua alma, assim você é.”

(Pv.23:7)

O ser humano sempre buscou respostas para suas perguntas mais complexas sobre si mesmo e, nos dias de hoje, esta busca está cada vez maior. O mundo está evoluindo muito rápido, milhões de informações chegam a nossa vida diariamente, vivemos rodeados de novidades constantes, e isso tudo para ser absorvido por nós levaria anos. No entanto, devido à pressa, à pressão do dia a dia, à busca incessante pela autorrealização e sucesso, muitas vezes somos impedidos de parar e perceber o que está acontecendo conosco e com as pessoas ao nosso redor. Na era das conexões, das redes sem fronteiras, do bate e volta de respostas virtuais sem muito pensar e de todas as formas de se comunicar, o homem está se desconectando – de si mesmo e, consequentemente, do mundo real. As pessoas estão ficando mais vulneráveis a doenças cognitivas, físicas e emocionais que antes eram permitidas apenas aos grandes pensadores, artistas e cientistas.

Mas o que fazer com tudo isso?

Como viver melhor o aqui e agora sem perder o sucesso tão almejado?

Como tornar seus relacionamentos melhores, sustentáveis e duradouros?

Como ser feliz de verdade nos dias de hoje, aproveitando tudo de melhor ou ressignificando tudo de ruim

que possa nos acontecer?

 

Augusto Cury, psiquiatra, pesquisador, escritor e autor da teoria da Inteligência Multifocal, por mais de vinte anos estudou o complexo funcionamento da mente humana para nos trazer algumas dessas respostas. Em seu livro Inteligência Multifocal – análise da construção dos pensamentos e da formação dos pensadores, revisto e atualizado em 2006, ele traz a aplicação dessa teoria às principais funções da inteligência humana, buscando desvendar o complexo funcionamento da mente humana. Por meio da inteligência humana, composta pela construção de pensamentos; transformação da energia emocional; formação da consciência existencial e da formação da história existencial armazenada na memória, concluiu-se que uma pessoa multifocalmente inteligente desenvolve no mínimo 10 funções:

1 – A arte de amar e valorizar a vida
Amar e valorizar a vida são artes indispensáveis para se manter feliz e grato pela própria existência e pela existência de outras pessoas. Honrar e respeitar a sua própria história fazem com que o ser humano honre e respeite a história do seu próximo. A vida é a única linha que se for rompida jamais voltará. Como você tem amado e valorizado a sua vida e a vida dos outros?

2 – A arte de apreciar o belo
Apreciar o belo vai além da beleza. É a forma de admirar o que está em volta. Como a pessoa interage com “paisagens”, mesmo estando distorcidas, acinzentadas e pouco valorizadas. Conta-se uma história que uma senhora varria as pétalas das flores do ipê-amarelo que caiam sobre sua calçada porque ela as via como sujeira. O ipê-amarelo é uma árvore que dá flores lindas na primavera e enquanto alguns param para contemplá-las, outros, como essa senhora, acham que o belo é manter sua calçada limpa. Como você tem apreciado o mundo à sua volta?Durante uma viagem, o que é mais bonito de se ver, o paredão de pedras ou as montanhas, vales, o pôr do sol, o vento no seu rosto?

3 – A arte de pensar antes de agir
A tolerância tão necessária nos dias de hoje nada mais é do que pensar antes de agir. Respirar fundo, conhecer o seu estado emocional e conhecer o estado emocional do outro podem evitar uma série de conflitos e tragédias. É melhor pensar antes de agir do que viver pedindo desculpas por precipitações desnecessárias ou promessas não cumpridas.

4 – A arte de expor e não de impor as ideias
É comum algumas pessoas se irritarem quando suas ideias não são aceitas; seu tom de voz aumenta a medida da negação do outro; chegam até a ficar “vermelhas” de raiva ou alterar a sua voz, simplesmente porque querem obrigar o outro a aceitá-las por algum motivo. As ideias são mais bem aceitas quando são expostas e não impostas. A exposição dá a liberdade de escolha e compreensão do outro, ao passo que a imposição gera desconforto e situações de divergências e antipatia. Valorize suas ideias, mas não espere que o outro faça o mesmo apenas por obrigação.

5 – A arte de ser solidário
Ajude o outro à medida que ele quer ser ajudado. Faça por ele o que ele gostaria que fosse feito por ele, e não o que você gostaria que fosse feito por você. A solidariedade está nas pequenas ações do seu dia a dia. Seja solidário em suas palavras, o mundo já tem críticos demais. Importe-se em ser um “ser de luz” na vida das pessoas. Não é preciso ter riquezas materiais para se doar ao outro, basta ajudar na proporção que você pode: um abraço, um sorriso, um aperto de mão, fazer o dia de alguém melhor, ser compassivo, ser gentil – afinal, gentileza gera gentileza.

6 – A arte de gerir os pensamentos dentro e fora dos conflitos
Tão importante quanto a arte de pensar antes de agir, gerir os pensamentos dentro e fora dos conflitosé para os sábios e às pessoas que se respeitam. Durante um conflito, é possível filtrar pensamentos e evitar atitudes inconsequentes. Como você gerencia seus pensamentos em momentos de crise, pressão ou adversidades?

7 – A arte de se colocar no lugar dos outros
Se colocar no lugar de outra pessoa requer mudança, disposição, sabedoria, doação e o mais importante, abrir-se para que alguém se coloque no seu lugar em algum momento. Assim como o filme “Se eu fosse você” interpretado por Glória Pires e Tony Ramos, só será possível entender o “outro”, além de si mesmo, conhecendo o interior do “outro” como se estivesse em seu lugar – dentro dele.

8 – A arte de manter o espírito empreendedor
Reinventar-se, atualizar-se, inovar-se constantemente podem contribuir para que sejam vislumbradas novas possibilidades e criação de uma nova vida, de um novo ciclo. Manter o espírito empreendedor é também romper obstáculos causados por paradigmas e crenças limitantes. Uma pessoa inovadora e criativa e com um espírito empreendedor aumenta suas chances de alcançar o sucesso mais rápido do que pensa – ela se torna diferenciada e perceptível mais facilmente.
9 – A arte de trabalhar perdas e frustrações
Essa é uma das artes mais importantes da inteligência emocional. Perdas e frustrações têm a tendência de aprisionar as pessoas e as adoecerem. Ressignificá-las e trabalhá-las possibilita dar um novo sentido à vida e aos “seus altos e baixos” passíveis a qualquer pessoa.

10 – A arte de colaborar em equipe
Colaborar em equipe ainda é um desafio dentro das escolas, universidades e empresas, pois mesmo num mundo de conexões e informações acessíveis a todos, algumas pessoas ainda se encontram individualistas e próprias de si mesmas. A colaboração em equipe traz resultados mais positivos e duradouros, pois é onde possibilita a prática de muitas das funções da inteligência multifocal destacadas anteriormente. Saber dividir ideias e conhecimento em prol de um objetivo comum torna as pessoas mais resilientes, realizadas e consistentes diante dos seus relacionamentos diários.

Como as funções da Inteligência Multifocal podem ser desenvolvidas?

O autoconhecimento é uma poderosa ferramenta para facilitar o desenvolvimento das funções da Inteligência Multifocal. Mudar comportamentos habituais significa mudar a forma de enxergar a própria cultura, os próprios valores e as próprias atitudes. Para isso, o uso do processo de Coaching é um ótimo aliado, pois por meio dele haverá um resgate dos 90% do inconsciente para o uso dos 10% no consciente de uma pessoa de forma mais saudável.É por intermédio da consciência do que deve ser melhorado e da sua ressignificação que as mudanças aparecem e a construção de novos pensamentos e emoções passam a acontecer de forma mais  equilibrada.

Para finalizar…
Para ser um profissional de sucesso, antes de tudo, é necessário ser uma pessoa de sucesso. Esse é o verdadeiro poder que uma pessoa pode obter ao longo do seu caminho. Enquanto muitas pessoas se preocupam com o básico – que é a obtenção de dinheiro –, suas vidas ficam adoecidas e envolvidas em ciclos que não se fecham – arriscando-se a uma vida insana e desconexa do seu verdadeiro eu. Uma pessoa que se conhece bem, caso perca o que é palpável, como o dinheiro ou bens materiais, consegue de cabeça erguida superar e reconstruir tudo novamente. Do contrário, se uma pessoa não se conhece, demorará muito mais para realizar essa reconstrução.
Você pode se perder do mundo, o mundo pode virar as costas para você, mas seria uma tragédia se você se perdesse de você mesmo. Você é único! Você é o seu maior patrimônio!

Leve o Workshop “O Poder da Inteligência Multifocal e do Autoconhecimento” para a sua empresa ou para o seu evento.

Gratidão!

Todo mundo é coach?

Será que todo mundo é coach agora? Essa tem sido uma pergunta muito comum, uma vez que estamos vivendo o momento do Coaching no Brasil. Mas, uma pergunta que não quer calar: será que todo mundo é médico, advogado, psicólogo, engenheiro ou professor?Não entenda essa minha pergunta tendenciosa, mas muito pelo contrário. Ela tem simplesmente o objetivo de esclarecer para você que não conhece tão bem o Coaching e também para você que já ouviu falar do Coaching que, não, nem todo mundo é coach, infelizmente.

O Coaching explodiu no Brasil e atraiu muitas pessoas a participar dos seus cursos de formação ou passar por um processo com algum profissional. Algumas pessoas dizem que essa explosão foi ocasionada pela crise que o país passa e eis aí uma nova profissão que vai fazer todo mundo ficar “rico da noite para o dia”. Ops! Para tudo, não é por aí!!!

Outros dizem que o Coaching é modismo…Não é! Afinal, quem estudar mais um pouco essa metodologia saberá que ela existe há séculos. O fato é que o Coaching ajuda a acelerar os resultados e muitas pessoas têm buscado as formações  com o objetivo de autoconhecimento, aumento da performance na liderança, melhoria em seus negócios, e claro, há aqueles que o buscam para se tornarem profissionais coaches.

A polêmica, muitas vezes, está em, por exemplo: “A pessoa leu um livro de Coaching e já acha que é coach”. Realmente isso não faz sentido, pois quem nunca fez uma formação e só leu um livro, não pode sair por aí falando que é um coach, mesmo que se identifique. Você  compraria um serviço de Coaching de alguém que leu livros sobre o assunto, que não passou pela prática, que conhece algo de teoria e sem vivência? Bem, tudo isso vai depender do resultado que você quer alcançar na sua vida e depois, não adianta “chorar o leite derramado” e sair falando mal de todos os coaches. A primeira coisa que um profissional coach precisa é dominar a metodologia utilizada, pois essa visa mudança comportamental para aumento de performance e precisa de muito, muito, mas muito estudo e prática, afinal, cada ser humano tem o seu próprio universo e esse é bem particular.

Outra polêmica é: A pessoa faz um curso inicial de 6 dias ou 8 dias (eu disse inicial) e já sai dizendo que é coach. Sim! A pessoa que passou por uma formação e recebeu o certificado pode falar que é coach, afinal, ela passou por um curso de formação. Essa pessoa está habilitada… É como aquele motorista que acabou de tirar a sua carteira de habilitação e precisa de muita prática para não provocar um acidente. E esse coach, que quer ser um profissional, vai praticar muito, principalmente em si mesmo. Não importa se vai “arranhar o carro” algumas vezes, ele estará em fase de prática do aprendizado e vai utilizar o pro-bono (forma gratuita de atendimento) por um período até se tornar apto. Mas claro, isso vai da evolução de cada um… Como eu disse, cada ser humano tem um universo particular. Alguns aprendem mais rápido, tem vocação e podem atender seus clientes de forma excelente em menos tempo que se espera.

Eu me identifiquei desde o início com o Coaching, já tinha a vocação. Então, faço parte das pessoas que tem a pré-disposição para essa profissão e isso é algo necessário para qualquer profissão. E mesmo com vocação, isso não me fazia uma coach nata… Quando eu fiz a minha primeira formação, eu trabalhava em uma multinacional, era gestora de uma grande área da empresa e queria atuar como profissional coach e atender como coach no meu próprio negócio… Mas, te confesso que precisei estudar muito, fazer muitos cursos, investir R$$$, ser staff e trabalhar com grandes coaches, além de ter muita prática para elevar os meus resultados e os dos meus coachees.

Eu acredito que um bom coach é aquele que é seu próprio case de sucesso, ou seja, se a vida dele mudou desde quando ele conheceu o Coaching, é sinal que ele fez bom uso sobre o que aprendeu… Meu grande case de sucesso, no meu início, fui eu mesma… Sim, eu fui a primeira pessoa a experimentar o Coaching na minha vida (Autocoaching) e em um ano eu consegui ter os resultados que eu havia colocado como objetivo. E já se vão seis anos, vivendo o Coaching todos os dias… Hoje, eu posso dizer, estou muito feliz com os feedbacks que recebo, quer seja de um líder em ascensão, um empreendedor, um executivo de alto escalão e até mesmo dos próprios coaches que atendo, em fase de transição de carreira e para abrirem os seus negócios.

Por fim, eu realmente adoraria que todo mundo fosse coach, na sua vida, na sua casa, na sua liderança, na educação, na igreja, na comunidade, no esporte, na política, na empresa, no atendimento ao público… Mas, para ser um coach que vive dessa profissão todos os dias, é preciso “ralar” muito, estudar muito e fazer a diferença na vida do outro… Adotar a carreira como coach é acima de tudo, ter muita responsabilidade com o que faz e provoca no outro. É ter congruência, comprometimento, ética e a certeza de que está na profissão certa, não apenas pelo dinheiro, mas pela missão, assim como qualquer bom profissional, independente da área de atuação.

Espero ter contribuído com o seu conhecimento! Até a próxima!

Qual é o seu plano para 2018?

Por Patrícia Gonçalves

Estou aqui nesse movimento de final de 2017 e quantas coisas eu pude perceber que fizeram a diferença em minha vida ao longo desse ano. Normalmente, eu trabalho o meu planejamento de uma forma, talvez, um pouco diferente de muitas pessoas. Gosto de fazer o planejamento anual da minha vida pessoal e profissional vinculado com meu objetivo de 10 anos à frente. E a cada seis meses eu  reviso o meu planejamento anual. Eu tenho observado que nos últimos anos, tudo que eu planejei, até então, vem acontecendo de uma forma surpreendente e positiva. É fato que acontecem também, percalços no meio do caminho que acabam mudando muito desse planejamento feito, no entanto, paro e revejo o que precisa ser melhorado, o que pode ser feito na situação para mudar logo uma possível perspectiva negativa. Essa é uma prática que eu adotei com o Coaching. Primeiro visualizar na minha mente o que eu quero para a minha vida e, daí, então, detalho os meus objetivos e metas para alcançá-los com datas bem definidas. Em seguida, ajo e busco eliminar interferências que possam me tirar do foco e daquilo que estou caminhando para conquistar. O que eu quero te dizer com tudo isso, é que para você conquistar o que quer em 2018, 2019, 2030, 2050, não basta que isso esteja apenas em sua mente, é preciso que isso seja S.M.A.R.T. e entre para um plano detalhado. Eu sei que nem sempre é fácil sentar e colocar no papel ou em uma planilha o que se quer a longo ou curto prazo, mas se serve uma sugestão como Coach, comece a fazer isso e crie esse hábito anualmente ou sempre que tiver um novo objetivo para ser alcançado. Isso, com certeza, aumentará o seu foco no seu propósito de vida.

Assim como eu te expliquei como criar suas metas S.M.A.R.T., eu vou te orientar abaixo como colocar essas metas em movimento por meio do Plano de Ação 5W2H. Afinal, é preciso caminhar para um destino claro, direcionado, certo. Isso é necessário para que o seu movimento não seja em vão. Não faça como Alice no País das Maravilhas, que estava perdida e perguntou ao gato para onde deveria ir. Com isso, se ela não sabia para onde ir, qualquer caminho serviria, assim aconselhou o gato. E você, sabe para onde ir ou está andando por caminhos desconhecidos ano após ano?

O modelo 5W2H surgiu nos E.U.A. pela busca da Qualidade Total. Ele é composto por uma sigla em inglês e significa:

What  ( O que?):  Qual é a atividade a ser realizada?

Whay (Por que?): Por que estou fazendo essa atividade?
Where (Onde?): Onde vou fazer essa atividade?
When (Quando?): Quando vou fazer? Em quanto tempo?
Who (Quem?): Quem é responsável por fazer essa atividade? Quem vai fazer comigo?

How (Como?): Como vou colocar essa atividade em prática?
How much (Quanto custa?):  E, finalmente, quanto vou gastar, quanto custa para executá-la?

Convido você a elaborar o seu Plano de Ação abaixo. Esse é um modelo que você poderá fazer em uma planilha excel, copiar para uma agenda ou simplesmente destacar em uma folha de papel para que com frequência, possa acompanhar todas as atividades. Quando eu uso esse Plano de Ação em uma planilha excel, normalmente acrescento também, os status: “Não iniciado”, “Em execução” e “Concluído”. Se o Plano de Ação está sendo feito em uma folha de papel ou agenda, ao concluir cada atividade, eu acrescento um OK na frente, ou simplesmente passo um risco de caneta sobre a ação realizada. Isso ajuda a memorizar o que já foi feito e a descarregar a mente para focar nas próximas ações, além de dar uma sensação incrível de realização e de estar mais próximo do objetivo. Você se lembra da empresa de eventos do artigo Faça seus sonhos te alcançarem? Usarei abaixo o seu exemplo com algumas atividades relacionadas para a empresa de eventos a ser aberta. O seu plano de ação deve incluir todas as atividades necessárias para o alcance do seu objetivo. Os dados informados nesse exemplo são meramente ilustrativos.

SEGUINDO NA DIREÇÃO DO MEU SONHO

Objetivo: Abrir uma empresa de eventos para realização de aniversário de crianças.

What
O que?
Whay
Por que?
Where
Onde?
When
Quando?
Who
Quem?
How
Como?
How much
Quanto custa?
Consultar especialistas no assunto
Para aumentar a assertividade no Plano de Negócios
SEBRAE e afins
01/09/2018
Ana
Pesquisa na internet; Consultoria presencial.
R$ 1.000,00
Escolher o sócio
Para divisão de despesas, responsabilidades e receitas.
Pessoas conhecidas
10/09/2018
Ana
Após consultar especialistas.
R$ 0,00
Visitar imóvel
Para garantir a assertividade na escolha da estrutura e localização do imóvel.
Campo Belo-SP
15/09/2018
Aná  e Fábio
Consultar a imobiliárias;
Visitar imóvel com o corretor.
R$ 200,00
Alugar imóvel
Estabelecer empresa.
Campo Belo-SP
30/09/2018
Ana  e Fábio
Assinar contrato com a imobiliária.
R$ 50.000,00
Mobiliar estrutura
Estruturar empresa para receber eventos
Campo Belo-SP
30/10/2018
Ana
– Assinar contrato com o decorador;
– Seguir layout definido;
Comprar móveis.
R$ 200.000,00
Registrar a empresa (documentos burocráticos)
Liberar alvará de funcionamento
Prefeitura e órgãos responsáveis
30/10/2018
Ana e Fábio
Assinar documentação junto aos órgãos responsáveis
R$ 30.000,00
Contratar pessoal
Para recrutar e selecionar candidatos
Zona Sul – São Paulo
15/10/2018
Ana
– Pesquisar a melhor empresa de RH;
– Informar dados da vaga e perfil do candidato;
– Fazer entrevista com candidato selecionado;
– Aprovar contratação
R$ 5.000,00

Para tudo na vida é preciso paciência, foco, determinação e disciplina. É por isso que alguns conseguem alcançar o sucesso naquilo a que se propõem e outros não. Faça do seu plano a sua mania predileta. Coloque-o visível e caminhe para que ele seja alcançado diariamente. Seja tudo que você quiser ser se isso verdadeiramente tiver um grande significado para você. E acredite, você pode ir mais longe do que pensa. Prepare-se! Dedique-se! Pague o preço com determinação e ousadia! Seja a mudança que você quer na sua vida!

Tenha um extraordinário NOVO ANO!